quinta-feira, 13 de maio de 2010

Viver, viver e viver

Por Fernanda Santiago Valente

já assistiu ao filme “Minha vida sem mim”? Se não, recomendo que assista. A personagem principal do filme é Ann, uma moça de 23 anos, casada, e mãe de duas garotinhas. Sua mãe tem uma história de sonhos fracassados e seu pai passou os últimos dez anos na prisão. Ela trabalha todas as noites na limpeza de uma Universidade, onde não poderá realizar o desejo de estudar. Ann mora com sua família num pequeno trailer no quintal de sua mãe.
Após um desmaio, ela vai ao médico e depois de uma série de exames descobre que está com câncer nos ovários, já passando para pulmão e fígado. Logo, descobre que não tem mais de três meses de vida. Ann não conta a ninguém sobre a doença, apenas diz que está com anemia. A partir daí ela faz uma lista de todos os seus sonhos, coisas que nunca teve tempo e nem oportunidade para realizar. Veja os trailers:



Bom, por que comecei citando esta trágica história? É que muitas pessoas só descobrem que a vida vale a pena quando de repente surge a notícia de que tem apenas um ou três meses de vida. Por que temos que esperar surgir uma doença para ter tempo de realizar os nossos sonhos?
Existe uma frase de um psicanalista molecular, chamado Allan Sachs que diz o seguinte: A morte é mais universal que a vida, todo mundo morre, mas nem todo mundo vive”
Viver é não deixar nada para amanhã. Muitas pessoas vivem mortas possuindo a vida. Pararam de acreditar em seus sonhos, se acomodaram em seus pensamentos e vivem pessimistas, mortas, com o espírito totalmente abatido.
Harold Kushner, um conservador judeu muito conhecido por seu livro “Quando coisas ruins acontecem às pessoas boas” cita um grande pensamento: “Estou convencido de que o medo de morrer, de nossa vida chegar ao fim, não tira tanto nosso sono quanto o medo... que atinge a todos que talvez não tenham vivido”
Tem gente que não vive, apenas vegeta. Mesmo possuindo inteligência e talentos, vegetam. Não olham adiante. Apenas lamentam o que passou. Em Salmos 90, versículo 12, o salmista faz uma linda e verdadeira oração: “Faze com que saibamos como são poucos os dias da nossa vida para que tenhamos um coração sábio”
Se levássemos em conta o significado deste versículo, levaríamos a nossa alma mais a sério: sorrindo, amando, perdoando, conquistando tudo o que nos cerca. Em Tiago, capítulo 4, verso 14, encontramos mais uma citação: “Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã! Que é a sua vida? Vocês são como a neblina que aparece por um tempo e depois se dissipa”
Se o nosso tempo é tão pouco, por que será que o matamos com tantas bobagens? Às vezes matamos o nosso tempo com brigas, fofocas e inutilidades. Matamos o nosso tempo com coisas que nos destroem: os jogos, as bebidas, a pornografia, a mentira, a inveja, o orgulho, a vingança. Agora pergunto: Pra quê?
O livro mais mal humorado da Bíblia, Eclesiastes, em capítulo 3, verso 11, traz a seguinte mensagem: “Tudo fez formoso em seu tempo, também pôs o mundo no coração do homem, sem que este possa descobrira obra que Deus fez desde o princípio até o fim”.
Termino deixando aqui esta reflexão, temos que ser honestos e perceber que existe muito mais do que apenas este mundo aqui tem a oferecer. Por isso, que possamos viver da melhor forma, sem precisar esperar uma doença terminal aparecer para obtermos algumas mudanças. Espero do fundo do coração que a partir de hoje sejamos exceles esposas ou esposos, que sejamos excelentes amigos, filhos, pais, irmãos, profissionais. Que sejamos gratos à vida, eliminando todas as atitudes que nos atrapalham. Que possamos listar nossos projetos sem adiar.
Hoje começo a matar algumas atitudes que me destroem por dentro: a preguiça, a depressão, o ciúme, a murmuração e a falta de perdão. Eu quero a vida e não a morte.
Quais as atitudes destrutivas que você quer matar em sua vida a partir de hoje? Pense nisso! E viva...

6 comentários:

♥Fabi♥ disse...

é akele lance " a gente desperdiça o tempo como se ele fosse infinito..."

É incrível como estamos sempre nos voltando para o amanhã. " amanhã vai ser outro dia..." amanhã eu resolvo isso..." e nos esquecemos do que Deus disse " o amanhã pertence a Deus."

Alessandra disse...

glórias a Deus,vi os vídeos,realmente trágico!Eu fiz esta mudança que vc citou no post a 2 anos atrás.Sim,foi de lá pra cá que comecei a viver as pequenas coisas com a importancia das grandes,e elas realmente se fizeram grandes,vale muito a pena.beijo pra ti ,estamos juntas em oração,sempre...até logo!

Priscila Rodrigues disse...

Nossa, amada, adorei..

Eu sempre digo nesta situação, "Viva, não apenas exista".. quantos não vagam pelo mundo sem rumo.

Alguns tem tudo que a vida tem de melhor pra dar, mas são ocos por dentro, deixarama tristeza tomar conta de suas vidas.

Mas eu não os julgo, as vezes nos damos conta da situação quando esta em estado terminal. E pra sair de uma depressão, fundo do poço é difícil sem uma ajuda profissional. Só quem nunca passou por essa situação pode falar que é fácil, basta querermos, eu sei, nós sabemos que não é bem assim.

Enfim.. viver é melhor que sonhar, portanto, colocar em prática nossos desejos e objetivos é mai9s que realizar um sonho, é concretizar a vida.

Vida.. todos tem e são poucos que sabem viver...

Paro por aqui, mesmo tendo muito a declarar.. rs.

Um beijo, meu anjo.

Kleidianne disse...

Linda reflexão! Embora o filme não seja tão politicamente correto assim... você conseguiu extrair dele só o que é bom!

Eder Barbosa de Melo disse...

Pois é, eu não vi esse filme, já me recomendaram e como cinéfilo eu acabo vendo de tudo um pouco, mas esse é meio dificil de encontrar.

Alguém já disse que muitas pessoas não fazem mais do que existir, viver é mais.Ótimo texto! Abraço.

Anônimo disse...

Bom dia, Fernanda!

Para vivermos basta nascermos.
"Viver, viver e viver" é uma arte que faz mudar... faz acontecer.

Façamos da nossa vida um verdeiro espetáculo a começar pelos bastidores. Que ao abrir das cortinas, cada figurante, com o roteiro decorado inicia-se a peça.Não tenhamos pressa.Ato após ato é que se define o fato(teatro).É nos ensaios que cada figurante toma conhecimento do seu verdadeiro papel.Mesmo assim em determinados momentos o improviso é preciso. Surpresa: A aparente tragédia poderá ser transformada em uma hilária comédia.

Abraços do amigo,

Luiz Augusto da Silva
Olímpia - São Paulo