sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

A importância do poeta

Vou colocar aqui um trecho do livro “Espiritualidade Subversiva”, de Eugene H. Peterson, teólogo e pastor de pastores. Antes de tudo, este livro é maravilhoso. Estou terminando de ler, mas quero deixar aqui a forma que o autor escreve. Sensibilidade, descrição, observação... Todos os escritores poderiam seguir este caminho. Não só isso, os pastores também poderiam captar na Palavra de Deus, toda a beleza e profundidade que cada palavra revela.


O POETA (por Eugene H. Peterson)

“A maioria das sociedades tem honrado os poetas por causa da importância geral das palavras. Martin Heidegger costumava chamar os filósofos de “pastores do ser”. Penso nos poetas como “pastores de palavras”, velando por elas, atando-as quando se ferem, indo ao enlaço delas quando se perdem, conhecendo-as por nome, em amor. Sempre me pareceu que os pastores, que tanta relação tem com as palavras, deviam gostar mais dos poetas. Mais da metade da nossa Escritura foi escrita por poetas. Se a forma em que algo nos chega é significativo - e é - , então a poesia e os poetas são uma força a ser considerada por qualquer pessoa que tenha a responsabilidade de transmitir a mensagem cristã de qualquer maneira, pois essa Palavra se fez carne.
A primeira coisa que o poeta faz é diminuir o nosso ritmo. Não podemos ler um poema celeremente. Os poemas precisam ser relidos. Diferentemente da prosa, que enche a página com palavras, os poemas tem muito espaço em branco, o que significa dizer que o silêncio tem o seu lugar ao lado do som como algo significativo, essencial à apreensão dessas palavras. Não podemos ter muita pressa ao ler um poema. Observamos ligações, sentimos os ritmos, ouvimos as ressonâncias. Tudo isso leva tempo. Há muito para ver, sentir, perceber. Sentamos diante de um poema da mesma maneira que nos sentamos diante de uma flor e observamos a forma, o relacionamento, a cor. Deixamos que comece a trabalhar em nós. Quando lemos prosa, muitas vezes assumimos o controle, mas no poema nos sentimos fora do controle. Algo está acontecendo que não conseguimos especificar rapidamente, e não raro nos impacientamos e deixamos o poema para ler Ann Landers em seu lugar. Na prosa, estamos atrás de algo, obtendo informações, adquirindo conhecimento. Lemos o mais rápido possível para obtermos o que queremos, de forma que possamos fazer bom uso dele. Se o escritor não escreve bem - ou seja, se não o podemos compreender rapidamente -, ficamos impacientes, fechamos o livro e nos perguntamos por que alguém não lhe ensina a escrever uma simples frase. Mas na poesia assumimos uma posição diferente. Somos preparados para ser aturdidos, para voltar, prantear, ponderar, escutar. Essa observação, essa oração, essa postura reverente acha-se no âmago da vida de fé, da vida de oração, da vida de adoração, da vida de testemunho. Se temos demasiada pressa em falar, cometemos sacrilégio. Os poetas nos desaceleram, os poetas nos fazem parar. Leia outra vez, leia outra vez, leia outra vez.”

8 comentários:

八洲商店 disse...

Olá, Fernanda1 Lindo blog! Adorei o estilo, tudo! E valorizo muito os poetas e a arte da poesia, seja na língua que for.
Na verdade, sou meio viciado em literatura, tanto luso-brasileira quanto japonesa! Adoro o universo das palavras!!!

Já estou te seguindo. Um grande abraço, Rubens Yusuke (Loja Yashima)

Ana disse...

Primeiramente quero lhe parabenizar pela blog.
O livro parece ser muito bom. Poesia é algo que preenche nossa alma e sempre deve ser lida atentamente mesmo.

Beijos

http://acordesmusicais.blogspot.com/
http://opinioeseinformacoes.blogspot.com/

SAULO PRADO disse...

O poema acalma
e revela a alma
O poema encanta
e não se adianta

O poema reflete o poeta
as dores e amores que o afeta
O poema é uma canção
cantada pelo coração

O poema cura
dores desta vida dura
O poema é uma aventura
para quem a alma escuta...

Saulo Prado

Adorei seu Blog...

Ana disse...

Que texto mais bonito...

Realmente, ler poesia requer cuidado, tempo, emoção...

Adorei teu blog!

Beijos!

Pastor Jair Pedroso disse...

Olá, Fernanda! O blog está bonito! Como poeta e pastor sei das dificuldades em exercer a nossa arte no meio evangélico. Encontrar uma editora para publicar, então, é uma verdadeira epopéia.
Se quiseres envio alguns poemas para você avaliar.
Um abração

Priscila Rodrigues disse...

Oi, Fê..

O poeta é tudo que queremos ver, realmente pra entender um poema precisamos mergulhar nas palavras do autor. E quem nunca se identificou com tantas palavras sábias?

Amo a poesia, as vezes brinco que sou poetiza, seu post até me deu vontade de escrever.. e escrevi, depois dê sua critica, sua opinião é muito importante. Lá em meu espaço que você é sempre muito bem vinda.

Adorei a forma que assemelhou o Poeta do Pastor, em minha igreja o Pastor nos enche de lágrimas com as belas falas do nosso Senhor.

Beijos..

Anônimo disse...

É isso mesmo... Fernanda!

O poema lido com calma...paciência...
É a melhor estratégia para extrair a esséncia que dá aos "homens" sensibilidade e sabedoria: a poesia...

Paz e alegria!

Luiz Augusto da Silva.
"poeta" - Olímpia - SP

Rodrigo Barroso disse...

Sê bem-vinda às minhas páginas.


Poemas:
http://hachurasclaras.blogspot.com.br/


Poemas:
http://fons-amoris.blogspot.com.br/


Breves meditações:
http://caminhogracioso.blogspot.com.br/





Forte abraço,

Rodrigo Barroso